quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Você sabia?

O veneno que sai do plástico aquecido, é chamado antimônio e vem sendo denunciado há muito tempo. Se você deixar a sua garrafa de plástico com água no carro durante os dias quentes e você beber a água depois de ter sido aquecida, você corre o risco de desenvolver câncer de mama. Os médicos explicam que o calor faz com que o plástico emita um resíduo químico tóxico que produz este tipo de doença na mama. Esse tóxico é o mesmo encontrado no tecido da mama com câncer. Então por favor, não tome água de garrafas de plásticos que foram aquecidas e passe isso para todas as mulheres. Não aqueça no forno (micro-ondas), alimentos em recipientes de plásticos. Aqueça em recipientes de cerâmicas ou de vidro que suporte o calor. As mulheres devem ser informadas para evitarem o problema. Por favor não fique com essa informação, compartilhe!

sábado, 7 de outubro de 2017

Outubro Rosa

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.
 
A história do Outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade (www.komen.org).


Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. Para sensibilizar a população inicialmente as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, desfile de modas com sobreviventes (de câncer de mama), partidas de boliche e etc. (www.pink-october.org).


A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e etc. surgiu posteriormente, e não há uma informação oficial, de como, quando e onde foi efetuada a primeira iluminação. O importante é que foi uma forma prática para que o Outubro Rosa tivesse uma expansão cada vez mais abrangente para a população e que, principalmente, pudesse ser replicada em qualquer lugar, bastando apenas adequar a iluminação já existente.


A popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos em em torno de tão nobre causa. Isso faz que a iluminação em rosa assuma importante papel, pois tornou-se uma leitura visual, compreendida em qualquer lugar no mundo.


A primeira iniciativa vista no Brasil em relação ao Outubro Rosa, foi a iluminação em rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera), situado em São Paulo-SP. No dia 02 de outubro de 2002 quando foi comemorado os 70 Anos do Encerramento da Revolução, o monumento ficou iluminado de rosa "num período efêmero" como relembra o secretário da Sociedade Veteranos de 32 Mmdc , o Coronel PM (reformado) Mário Fonseca Ventura.

Essa iniciativa foi de um grupo de mulheres simpatizantes com a causa do câncer de mama, que com o apoio de uma conceituada empresa européia de cosméticos iluminaram de rosa o Obelisco do Ibirapuera em alusão ao Outubro Rosa. 





terça-feira, 3 de outubro de 2017

Previna-se contra o câncer de mama


Câncer de mama: clínicas particulares vão atender gratuitamente mulheres que não têm plano de saúde

Por Daniel Brunet

As clínicas Felippe Mattoso e Labs a+ Medicina Diagnóstica farão uma ação destinada a mulheres do Rio que não têm plano de saúde. Será durante o Outubro Rosa. As unidades querem atender pacientes que estão na fila de espera de instituições públicas, como os hospitais Pedro Ernesto, da Lagoa e de Ipanema, aguardando pela avaliação de câncer de mama.

A ação será nas unidades Felippe Mattoso Jardim Botânico (dias 8, 22 e 29 de outubro, das 8h às 12h30m) e Labs a+ Bonsucesso (dias 22 e 29 de outubro, das 8h às 12h30m).

As duas planejam realizar 205 mamografias, 205 ultrassonografias e 40 ressonâncias magnéticas. Elas terão ajuda de 100 voluntários, dentre médicos, técnicos e auxiliares.

Fonte: O Globo

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Brasil, lugar onde:

ROUBAR; ESTUPRAR; ASSEDIAR; SER CORRUPTO; EJACULAR EM UMA MULHER DENTRO DO ÔNIBUS É NORMAL, MAS SER GAY É DOENÇA.


Grupo Portelamor - Porque amar é fundamental.

sábado, 2 de setembro de 2017

Distúrbio que afeta o bem estar

A enxaqueca é um distúrbio de origem física, mas com implicações emocionais e por isso seu entendimento passa pela neurologia e psiquiatria. 


Apesar de seus efeitos devastadores - ela está entre as 20 doenças que mais roubam anos saudáveis de vida dos indivíduos afetados, segundo a Organização Mundial de Saúde – a enxaqueca não é considerada doença grave, mas uma afecção recorrente essencialmente benigna. São quase inumeráveis os fatores desencadeantes da crise de enxaqueca. 
A cefaléia pode ocorrer em conseqüência de uma irritação em alguma víscera remota ou ser resultado de uma simples mudança de clima. Ela pode aparecer depois da ingestão de uma barra de chocolate ou como conseqüência de uma noite mal dormida. Oscilações na produção dos hormônios, odores fortes, excesso de luminosidade, determinados alimentos e bebidas e o mau hábito de pular refeições são alguns dos fatores que disparam o gatilho da enxaqueca.

 
OS PRINCIPAIS SINTOMAS
 
O sintoma mais comum é a dor de cabeça forte, mas nem sempre ele faz parte do quadro de crise. Manifestações como náuseas e vômitos, dor abdominal, diarréia, febre, sonolência, alterações de humor etc. podem sobrepor-se à dor de cabeça em um quadro clínico de enxaqueca. Quem sofre do problema pode ter duas a quatro crises ao longo de um mês, com duração de 4 horas até 3 dias. Quando a dor de cabeça acompanha a crise, ela é em geral violenta, latejante, mas também pode ser branda e perceptível, apenas, quando ocorre um solavanco da cabeça ou um acesso de tosse. A localização da dor de cabeçaé geralmente unilateral, na fronte ou na têmpora.

 
OS ALIMENTOS MAIS ASSOCIADOS À ENXAQUECA
 
• Aspartame;
• Chocolate;
• Embutidos;
• Frutas cítricas;
• Queijos envelhecidos;
• Vinho tinto.

 
TRATAMENTOS SÃO INDIVIDUALIZADOS
 
Não existe um tratamento padrão para a doença devido a variedade de sintomas e de fatores desencadeantes. Por isso, cada paciente é tratado como um caso único. O primeiro  passo para um diagnóstico de enxaqueca é tentar encontrar o fator (ou fatores) que disparam o gatilho da dor e demais sintomas. Recentemente, os médicos descobriram que a simples ingestão de analgésicos pode agravar os sintomas da doença, em futuras crises, além de nem sempre diminuir a dor de cabeça. Entre as novidades mais promissoras na prevenção da enxaqueca está uma substância chamada topiramato, princípio ativo de um medicamento usado no tratamento da epilepsia. O topiramato estimula a produção de certas substâncias pelo organismo que bloqueiam a dor e reduzem a ocorrência e a duração das crises.

 
NAS CRISES DE DOR SÃO USADOS ANTI-INFLAMATÓRIOS OU TRIPTANOS
 
Os anti-inflamatórios não esteróides, conhecidos pela abreviação AINEs bloqueiam a produção de prostaglandinas, interrompendo assim o fluxo dos estímulos dolorosos. Como efeitos colaterais, podem produzir queda na produção de glóbulos sanguíneos e lesões gástricas e renais.
Os triptanos mimetizam a ação da serotonina, substância que tem papel importante no processo natural de supressão da dor no organismo. Como efeito colateral, podem causar sensação de pressão no pescoço e no tórax, sonolência, tontura e dormência na ponta dos dedos e das mãos.
 
TRATAMENTOS PARA PREVENIR AS CRISES
 
ANTICONVULSIVANTES: são medicamentos também usados no tratamento da epilepsia, que estimulam a liberação de uma substância cerebral calmante, como o já mencionado topiramato.

ANTIDEPRESSIVOS: aumentam a disponibilidade de serotonina no sistema nervoso central, a substância responsável pelas sensações de bem estar e prazer, que também desempenham papel importante na supressão da dor.

BETABLOQUEADORES: Usados no tratamento da hipertensão arterial, eles neutralizam a ação da adrenalina, hormônio responsável por elevar os batimentos cardíacos e a pressão arterial, aumentando a disponibilidade das substâncias supressoras da dor no sistema nervoso. 

BLOQUEADORES DE CANAL DE CÁLCIO: Tradicionalmente receitados para pacientes cardíacos, passaram a ser usados no combate à enxaqueca por causa de sua ação bloqueadora da produção das prostaglandinas.

TOXINA BOTULÍNICA: de acordo com estudos em desenvolvimento, a substância poderia prevenir a crise de enxaqueca ao promover o relaxamento dos músculos da face. Mas tais conclusões sobre esse efeito ainda não são definitivas. 

 
TRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSOS
 
ACUPUNTURA: está provado que o estímulo das agulhas em regiões específicas do corpo humano aumenta a sínteses e a liberação de endorfinas, as substâncias supressoras da dor

MASSAGEM NA CABEÇA: o estímulo relaxa o cérebro e o estimula a interromper o fluxo do estímulo doloroso.

IOGA E TÉCNICAS DE RELAXAMENTO: são atividades que incentivam a imaginação de situações e cenários agradáveis, o que pode levar o cérebro ao relaxamento e a produção de substâncias responsáveis pelas sensações de prazer que levam à diminuição da dor.
 
Fonte: www.assuntodemulher.com.br

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Voce fica rouco com facilidade?

A produção da voz depende de quatro componentes: fluxo de ar fornecido pelos pulmões, produção de som pelas pregas vocais (nome correto para as cordas vocais) que ficam na laringe (região do pescoço), ressonância e articulação do som em fala nas estruturas da garganta (faringe, cavidades nasais e bucais), e o controle geral pelo sistema nervoso central. Se um dos quatro componentes citados não trabalharem de forma harmônica, tem-se uma disfonia, ou seja, uma alteração de voz.
A rouquidão intermitente pode ser um dos sintomas de alteração vocal e pode ter diversas causas:

  • Presença de queimação ou qualquer infecção recente do aparelho respiratório superior
  • Uso de medicamentos
  • Cirurgia ou trauma recente no pescoço ou no peito
  • Intubação orotraqueal recente
  • Hipotireoidismo
  • Doenças neurológicas, como Doença de Parkinson
  • Doenças inflamatórias ou auto-imunes
  • Uso profissional ou inadequado da voz.

Em relação as alterações vocais devido ao uso profissional ou inadequado da voz podem estar presentes os seguintes sintomas: rouquidão, presença de pigarros, esforço para falar, dor no pescoço, fadiga vocal, tosse, dificuldade em projetar a voz. Chamamos essa alteração de disfonia funcional por falta de conhecimento vocal, modelo vocal deficiente ou alterações estruturais das pregas vocais (sulcos e cistos vocais, entre outros). Estas alterações podem resultar ainda nas disfonias organofuncionais que são causadas por uma série de lesões decorrentes de alterações no comportamento vocal (nódulos vocais ? comumente chamados de calos, pólipos, edema de Reinke entre outros).
Uma pesquisa realizada entre 2010 e 2013 no Centro Ambulatório de Distúrbios de Voz, na Escola de Medicina de Botucatu (Unesp), realizada com professores e outros indivíduos que utilizavam a voz com maior frequência no seu cotidiano, evidenciou que os sintomas de alterações vocais são comuns entre professores. Os nódulos vocais foram predominantes entre os professores, enquanto que os pólipos e o sulco eram mais frequentes entre outras pessoas: pedreiro, bancário, motorista, engenheiro, profissionais da saúde, gerente da loja, vendedor, barman, aluno, serviços gerais, empregada doméstica. O refluxo laringofaríngeo foi predominante em ambos os grupos.
A avaliação fonoaudiológica (perceptivo auditiva) evidenciou alteração vocal similar e a rouquidão foi considerada discreta para ambos os grupos. Os pesquisadores descartaram cantores, porém sabe-se que esta população também pode apresentar alterações vocais por fazerem uso intenso da mesma.
Como evitar a rouquidão?
Todos os indivíduos podem apresentar disfonia em alguma fase da vida, porém quem usa a voz como meio de trabalho está mais propenso a apresentar alguma alteração. Existem alguns cuidados, que chamamos de Higiene Vocal, que são gerais a todos. As dicas abaixo orientam os indivíduos a fazer uso correto da voz e auxiliam no processo de conscientização e prevenção:

  • Ingestão de água: Beber água regularmente e em pequenos goles, favorece a hidratação do organismo que promove uma produção vocal sem esforço
  • Evitar ambientes poluídos: promove alterações vocais e laríngeas agudas ou crônicas
  • Evitar fumar e utilizar bebidas alcoólicas: agridem todo o sistema respiratório, principalmente as pregas vocais podendo causar irritações, aumento de secreção, tosse, pigarro, além de promover o ressecamento das pregas vocais e dificultar a vibração. O álcool também apresenta efeito anestésicos que diminuem a sensibilidade da laringe e podem causar o abuso vocal. O uso do cigarro ainda aumenta as chances de desenvolver câncer de laringe que, quando associado a bebida alcoólica, potencializa o risco
  • Alimentação: evite alimentos condimentados, derivados de leite, bebidas gaseificadas, cafeína e alimentos ácidos. Dê preferência a frutas, verduras e alimentos leves. Fazer uso da maça que tem função adstringente
  • Evitar gritar, pigarrear, tossir ou sussurrar: O atrito das pregas vocais podem promover irritação e descamação do tecido
  • Evitar exposição ao ar condicionado: reduz a umidade do ar e causa ressecamento do trato vocal que induz a produção de fala com tensão e esforço
  • Medicamentos: Evite se automedicar. Muitos remédios podem indiretamente causar alterações vocais e sensação de boca seca. Procure orientação médica
  • Vestuário: Não utilize roupas apertadas que comprimam região do pescoço e abdome. Dê preferência a roupas leves que permitam a movimentação livre do corpo
  • Alterações hormonais: a voz pode se modificar da adolescência, nas mulheres durante a menopausa e períodos pré menstruais. É importante saber as limitações em cada caso e saber controlar o uso da voz e evitar fala continuada por longos períodos
  • Alergias: Evite falar muito quando estiver gripado ou em crise alérgica, pois, o trato vocal apresenta-se edemaciado e haverá grande atrito entre pregas vocais durante a produção de fala.

Também é importante conhecer os hábitos que são prejudiciais a saúde da sua voz para que você possa modificá-los:

  • Falar muito
  • Falar em competição com ruído
  • Falar fora de sua frequência habitual
  • Imitar sons, vozes e ruídos
  • Ingestão excessiva de cafeína
  • Consumo de alimentos condimentados
  • Fumo
  • Consumo de álcool
  • Uso de drogas
  • Permanência em ambientes secos
  • Inadequação do descanso
  • Estresse
  • Uso de sprays e pastilhas anestésicas
  • Ocorrência de alergias respiratórias
  • Realização de automedicação
  • Exposição a mudanças bruscas de temperatura
  • Inadequação do vestuário
  • Insuficiência de hidratação
  • Falta de exercícios físicos
  • Alterações psíquicas
  • Alterações hormonais.

Quando procurar ajuda para rouquidão?
Se a rouquidão persistir por mais de 15 dias, procure um médico otorrinolaringologista. A alteração vocal persistente pode estar relacionada a diagnósticos mais graves como câncer de cabeça e pescoço ou a lesões que se identificadas rapidamente podem ser tratadas sem cirurgias.
O diagnóstico médico pode ser realizado com um exame completo de cabeça e pescoço. O diagnóstico fonoaudiológico associa o exame objetivo realizado pelo médico à avaliação vocal que envolve a análise perceptivo-auditiva (se tem rouquidão, aspereza, astenia, entre outros aspectos), o comportamento vocal do paciente, ou seja, se a voz é produzida ou utilizada de forma inadequada (faz muita força para falar, usa um padrão de respiração inadequado, grita ao invés de projetar a voz, etc.) e a demanda vocal (quantas horas o paciente precisa falar por dia, como é o ambiente, a necessidade do mesmo, etc.).
Referências:
1. Ana Carolina Soares, fonoaudióloga da Clínica Saúde Porã e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
2. Tainá Ferreira, fonoaudióloga e responsável técnica da Clínica Saúde Porã - Equipe Multidisciplinar
3. BEHLAU, M.; REHDER, M. I. Higiene vocal para o canto coral. Rio de Janeiro: Revinter, 1997. 68 p.
4. RODRIGUES, G.; VIEIRA, V. P.; BEHLAU, M. Saúde vocal: profissionais da voz, 2011. http://www.hcrp.usp.br/sitehc/upload/saudevocal.pdf
5. PEREIRA, E. R; TAVARES, E. L.; MARTINS, R. H. Voice Disorders in Teachers: Clinical, Videolaryngoscopical, and Vocal Aspects. J Voice, Butucatu, v. 29, n. 5, p. 564-71, 2015
6. COOPER, L.; QUESTED, R. A. Hoarseness: An approach for the general practitioner. Aust Fam Physician, v. 45, n. 6, p. 378-81, 2016
7. BEHLAU, M. Voz: O Livro do Especialista. Volume I. São Paulo: Revinter, 2008.
8. BEHLAU, M. Voz: O Livro do Especialista.Volume II. São Paulo: Revinter, 2010.

fonte: Site minha vida.

sábado, 19 de agosto de 2017

A rotina da consulta anual

Toda mulher que teve ou tem vida sexual deve consultar o ginecologista uma vez por ano para se submeter a uma avaliação clínica...
Toda mulher que teve ou tem vida sexual deve consultar o ginecologista uma vez por ano para se submeter a uma avaliação clínica que inclui o exame de toque, o exame pélvico e a coleta do material para o Papanicolaou.

O exame interno ou pélvico, aquele feito com ajuda do espéculo, permite ao médico coletar material e observar o colo do útero, como se chama a entrada do órgão, atrás de sinais de corrimentos indesejáveis, de doenças.e suspeita de câncer.

O câncer cervical, também chamado de câncer de colo do útero ainda afeta muitas brasileiras. No exame de toque com apalpação abdominal o ginecologista consegue perceber se existe alguma irregularidade nos ovários, trompas de falópio e no útero.

 
Os casos em que o exame pélvico deve ser repetido em menos de um ano:
• Sangramento fora das menstruações ou fluxo menstrual muito intenso
• Sangramento após a menopausa
• Irritação ou coceira nos genitais ou corrimentos suspeitos
• Dor e sangramento durante a relação sexual
• Presença de sinais estranhos como manchas, verrugas ou vermelhidão na vulva (a região da entrada da vagina).

 
O QUE É O TESTE PAPANICOLAOU
O nome é homenagem ao cientista de origem grega George Papanicolaou (1883-1962), que estudou a citologia vaginal e conseguiu descrever as células malignas em seus primeiros estágios de desenvolvimento e criar um teste para detecção precoce do câncer de útero.

O Papanicolaou.consiste no exame em microscópio de uma amostra de células que o ginecologista coleta raspando com uma espátula especial a região da entrada do útero. A análise serve para diagnosticar além do câncer, no início, também doenças infecciosas como chlamydia, gonorrérias, trichomonas e candidíase e a contaminação pelo HPV, abreviatura do inglês Human Papiloma Viruses.


Fonte: www.assuntodemulher.com.br