sábado, 27 de janeiro de 2018

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Saiba como controlar o seu ciúme

Por Layal Antanios


ciúme faz parte de todo relacionamento amoroso. No entanto, quando esse sentimento vira obsessivo, pode se transformar em uma doença. Saiba que apesar do ciúme parecer um grande problema, na dose certa, pode ser algo positivo para o casal. Pequenas pitadas são normais para uma relação, já que quem ama cuida de seu parceiro. 

Mas, o ciúme pode deixar de ser benéfico quando a mulher exagera na dose. A maior prova do excesso de ciúme é quando aponta para algo que não vai bem na relação amorosa. O estado patológico associa uma diversidade de emoções, como depressão, ansiedade, raiva, vergonha, insegurança, culpa e até vingança. A mulher começa a perseguir o seu amado para verificar aonde vai, além de mexer no celular para ver quem telefonou. Ou seja, o ciúme torna se algo doentio e pode até prejudicar o relacionamento.

Portanto 
ciumentas de plantão, confira sete atitudes para acabar com o problema e salve a sua relação:

Conselhos para mulheres ciumentas


1. Reflita bem antes de jogar todas as suas frustrações no parceiro. Com os nervos à flor da pele é muito fácil ultrapassar os limites e fazer ou dizer algo que você pode se arrepender depois, quando estiver com a cabeça fria.

2. Converse com o seu parceiro e o escute. Exponha os seus pensamentos sem receio de demonstrar suas inseguranças. 

3. Mantenha-se calma e tranquila. Para isso, pratique alguma atividade relaxante ou até uma meditação.

4. Saia mais com suas amigas e entretenha-se com outras pessoas além de seu amado.

5. Permita que o seu companheiro tenha uma vida social saudável. 

6. Procure fazer uma nova atividade, seja um esporte, curso, trabalho manual ou voluntário.

7. Aumente a sua baixa autoestima com roupas sensuais e discretas ao mesmo tempo, maquiagem e muita atitude! Quando a mulher se sente bem, ela fica menos insegura.

Síndrome do casal perfeito causa ansiedade

Por Letícia Murta

"...e foram felizes para sempre". O casal perfeito que ao se unir vive como em um comercial de margarina é, certamente, o objetivo da maioria das pessoas, mas será que essa meta é possível de ser alcançada? A Síndrome do CasalPerfeito causa ansiedade pois faz com que a expectativa seja de um relacionamento onde não existam discussões, desentendimento e brigas. Os conflitos são extremamente necessários para que o casal amadureça e contribuem para a renovação do relacionamento.

Os conflitos são parte essencial da vida de um casal e as diferenças entre marido e mulher não precisam ser vistas como inimigas da relação. É possível aprender com as divergência e, principalmente, compreender que uma opinião diferente da nossa não significa a impossibilidade de convívio.Todas as vezes em que um atrito é iniciado, a maneira mais eficiente de resolver o problema é parar e tentar escutar as queixas do outro e verificar quais são as responsabilidades de cada um dentro da questão.

As brigas e conflitos do casal perfeito

Ao entrar em um relacionamento as pessoas acreditam que tudo será maravilhoso e quando o casal começa a ter muitos pontos de visão contrários pode gerar uma certa frustação ou até mesmo ansiedade. A mulher, principalmente, pode 
sofrer com a autocobrança e se martirizar por achar que não está desempenhando de maneira eficaz seu papel de esposa. Nesses casos, a relação tende a piorar, pois ao invés de crescer com os problemas, a pessoa vai se sentir diminuída e terá a autoestima abalada.

A melhor dica para um relacionamento saudável é aceitar o outro com todas as qualidades e defeitos e saber que brigas e conflitos não significam desamor. Busca, claro, minimizar as brigas e diminuir as discussões desnecessárias, mas tenha em mente que a cada momento desagradável que passam é uma oportunidade para que se unam ainda mais e para que a relação saía fortalecida.Tire proveito das crises para criar um elo de amizade e compreensão entre vocês.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Os 12 Direitos das Mulheres

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), são direitos das mulheres:


1. Direito à vida. (A violência contra as mulheres deve ser combatida com todas as forças legais possíveis. Homem que mata mulher, pela condição de ser mulher, deve sentir a força, sem complacência, da Lei).

2. Direito à liberdade e à segurança pessoal. (Cárcere privado é crime. As mulheres são livres para irem e virem. Nenhum homem pode proibir, sob coação, a liberdade de suas esposas, filhas, mães).

3. Direito à igualdade e a estar livre de todas as formas de discriminação.

4. Direito à liberdade de pensamento. (A mulher nâo é obrigada a ficar calada: dar sua opinião, falar o que pensa e questrionar é um direito inalienável delas). 

5. Direito à informação e à educação. (O acesso ao estudo e à formação das mulheres é um dever de todos).

6. Direito à privacidade.

7. Direito à saúde e à proteção desta.

8. Direito a construir relacionamento conjugal e a planejar sua família. (A mulher tem o direito de escolher com quem casar, quando casar e onde morar, além de decidir sobre sua vida conjugal sem a interferencia de pastor, padre, bispo, pai-de-santo).

9. Direito a decidir ter ou não ter filhos e quando tê-los. (A ressalva aqui é sobre o aborto. Método abortivo é pecado para nós, cristãos evangélicos, além de ir de encontro ao direito Número 1: Direito a vida. Como  50% dos bebês são mulheres, o aborto fere o próprio código de direitos da mulher).

10. Direito aos benefícios do progresso científico.

11. Direito à liberdade de reunião e participação política. (As mulheres tem o direito de votarem em quem quiserem e se reunirem onde quiserem, sem nenhuma sombra de intimidação por parte de seus maridos, filhos, pais, governo e religião).

12. Direito a não ser submetida a torturas e maltrato. (Inclusive a maus tratos psicológicos, sociais e qualquer forma de humilhação - diante de amigos, parentes ou filhos)


quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Casar e namorar diminuem os hormônios do estresse

Por Layal Antanios

Casa ou ficar longe de relacionamentos sérios? Se você tem alguma dúvida sobre que decisão tomar, saiba que os estudiosos podem te ajudar. Isso porque uma pesquisa da Universidade de Chicago e da Universidade Northwestern, ambas dos Estados Unidos, concluíram que casados e os que tem relacionamentos estáveis desfrutam de uma ótima vantagem: Menor produção de cortisol, que é o hormônio relacionado ao estresse.

A equipe, analisou 348 homens e 153 mulheres, sendo que todos eram estudantes de mestrado. Aproximadamente 40% dos homens e 53% das mulheres tinham um relacionamento amoroso fixo. Os participantes foram convidados a jogar uma variedade de jogos de computador e foram avisados de que o teste era um requisito do curso e que teria influência em sua posição profissional. Essa informação causou estresse aos alunos e amostras de saliva coletadas antes e após a prática, indicaram as taxas hormonais e suas mudanças. 

Cortisol, o hormônio do estresse


Os níveis de cortisol elevaram em todos os participantes, em sua maior parte nas mulheres. Mas, os solitários apontaram níveis mais altos em comparação aos homens compromissados. 

O casamento pode sim ser muito estressante, mas saiba que ele pode ser muito bom para as pessoas aprenderem a lidar com outros fatores estressantes de seu cotidiano.


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

As vacinas indispensável antes de engravidar


A vacinação da mulher jovem e adulta é um assunto que mereceu atenção especial dos ginecologistas três anos atrás, quando a vacina contra o vírus papiloma humano, mais conhecido como HPV, do inglês Human Papiloma Virus, foi lançada no Brasil. A Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), junto com a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) aproveitou a oportunidade para atualizar os especialistas em saúde feminina e promoveu uma reunião geral de onde saiu o atual Consenso de Vacinação da Mulher. Segundo esse consenso, mulheres que têm planos de engravidar não podem deixar de tomar a tríplice bacteriana (dTpa) contra difteria, tétano e coqueluche; a tríplice viral, contra sarampo, rubéola e caxumba, a vacina pneumocócica; a meningocócica C conjugada e as vacinas contra hepatite A e hepatite B gripe e varicela. Nas regiões endêmicas, são obrigatórias também a vacinação contra febre amarela e, quando for o caso, contra raiva.
 
EXAMES INDISPENSÁVEIS ANTES DE ENGRAVIDAR 
Antes de engravidar, ainda, as mulheres são orientadas pelo médico a fazer os chamados exames pré-concepcionais, que são indispensáveis. Eles não devem deixar de ser feitos porque detectam doenças contraídas no passado e que podem significar algum risco para a gestação, o desenvolvimento do feto ou mesmo para a própria mulher durante a gravidez. Os mais importantes são os exames de rubéola se a mulher ainda não teve a doença e das hepatites A, B e C, além de HIV e HPV. 
 
A PRINCIPAL DOENÇA COM QUE SE DEVE TER CUIDADO NA GESTAÇÃO 
A rubéola não é uma doença perigosa para a mulher adulta, mas para as grávidas ela representa grande risco. Os fetos de mães infectadas por rubéola, principalmente no primeiro trimestre de gravidez, podem nascer cegos ou com catarata, surdos, com malformações no coração e microcefalia. Recomenda-se que a vacinação contra rubéola seja feita três meses antes do planejamento da gravidez.As imunizações contra a hepatite B e a tríplice viral também devem ser feitas no mínimo três meses antes da gravidez. A tríplice bacteriana, contra difteria, tétano e coqueluche é importante para evitar principalmente o temido tétano neonatal, ainda existente no Brasil, em que o recém-nascido é infectado por instrumento não-esterilizado segundos após o parto, por exemplo, no momento do corte do cordão umbilical.
 
VACINA CONTRA HPV
Existem mais de uma centena de tipos de vírus papiloma humano. O Consenso de Vacinação da Mulher da Febrasgo-SBIm informa, porém, que a região genital feminina pode ser infectada por dois grupos de vírus HPV, os oncogênicos --relacionados ao câncer do colo do útero -- e os não oncogênicos, responsáveis pelas verrugas. Entre os oncogênicos, os tipos 16 e 18 se destacam, pois são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo do útero. Outros vírus HPV, entre eles o 45, 31, 33 e 52 também causam câncer. Entre os vírus não oncogênicos, mas que causam verrugas, se destacam os tipos 6 e 11. Os dois são responsáveis por 90% das verrugas genitais. As vacinas contra o HPV contêm alta imunogenicidade, que é a capacidade de induzir uma resposta imune e conferir rapida imunidade a pessoa que foi imunizada, segundo o consenso de vacinação da Febrasgo-SBIm.